Inaugurado em 30 de março de 1974, na casa onde Guimarães Rosa nasceu e passou sua infância em Cordisburgo, o Museu foi concebido como centro de referência da vida e obra do escritor. Possui uma coleção de aproximadamente 700 documentos textuais, dentre os quais se destacam registros pessoais (certidões, correspondências, discursos, originais manuscritos ou datilografados, a exemplo de Tutaméia, última obra publicada).

Além do acervo literário, preserva outros registros da vida de Guimarães Rosa como médico e diplomata, objetos de uso pessoal, vestuário, utensílios domésticos, mobiliário e fragmentos do universo rural presente na literatura roseana.

Na década de 1980, o Museu passou por substancial reforma. Os documentos textuais foram organizados e arquivados, e um novo projeto expográfico foi realizado. Em cômodo frontal da casa foi reconstituída uma venda típica das existentes nas pequenas cidades mineiras, para representar o antigo comércio de Floduardo Pinto Rosa, pai do escritor: a “venda de seu Fulô”, onde o menino Joãozito cresceu ouvindo histórias contadas pelos freqüentadores do lugar.

[http://www.cultura.mg.gov.br/component/gmg/page/452-museu-casa-guimaraes-rosa]

© fotos do acervo por Pierre Yves Refalo. Para compra de peças entre em contato direto com os artesãos.