História da artesã:

O novo fazer de Teresa Etelvina José da Luz é continuidade do trabalho do marido, Joaquim Ferreira Neves, o Quinca. Na pequena casa em Brazlândia, cidade satélite de brasília, Dona Teresa continua a esculpir totens em talo de buriti. “Eu ajudava Quinca e fui aprendendo. Quando ele morre, em 1995, continuei a fazer, porque a gente sempre precisou desse dinheirinho. Acho que ele fazia mais bonito, mas cada um faz o seu. Judith, minha filha, também faz e muito bem feito, mas ela vive escondida não quer aparecer para ninguém.”

Dona Teresa já ensinou a neta Gisele. “É como uma sina. Ajuda muito. O Quinca queria mesmo era voltar para a roça. Mas não deu.Ele ficou desempregado aqui na cidade e então começou a fazer essas coisas nos galhos que encontrava. Fazia Bichos, fazia outras figuras e depois começou a fazer os totens de mulher barriguda. Eu ajudava a pintar. Agora, todo mundo tem pressa, querem tudo correndo, então a gente não borda mais tanto as roupas das mulheres. E também não querem pagar muito e a gente tem que pagar pelo talo do buriti, que tiramos de uma fazenda aqui perto. E ele não é barato. O trabalho segue a linha dos totens esculpidos por Quinca. Os traços simples dos ex-votos marcam a face das mulheres, que se empilham umas sobre as outras, com seus chapéus e feições mestiças, como dizendo <quem cuida das coisas aqui sou eu>.

Fonte: LIMA, Beth. Em Nome do Autor: artistas artesãos do Brasil, Beth Lima e Valfrido Lima. São Paulo: Proposta Editorial, 2008. [pg. 243]

© fotos do acervo por Pierre Yves Refalo. Para compra de peças entre em contato direto com os artesãos.